Descobrindo Nossas Raízes Bíblicas no Israel Moderno

Charles Dyer

Israel é um país totalmente moderno com importantes cidades, auto-estradas avançadas e trânsito intenso. Mas será que os pitorescos sítios e costumes antigos dos tempos da Bíblia desapareceram em meio a toda essa expansão urbana? Felizmente, a resposta é não.

Embora algumas vistas tenham desaparecido, muitas permanecem. E aqueles que visitam Israel agora realmente têm a oportunidade de se conectar a suas raízes bíblicas de maneiras que não eram possíveis algumas décadas atrás.

Venho observando Israel se desenvolver e mudar nesses 30 anos que tenho viajado para lá, e em alguns lugares o progresso resultou na perda daqueles “Momentos Kodak”, que ajudaram a ilustrar a Bíblia. Ainda suspiro quando dirijo meu carro por uma cidade moderna que agora cobre a encosta da colina em que uma caverna natural serviu como aprisco que ajudou a trazer João 10 à vida. Todavia, para cada local que desapareceu, novos sítios foram descobertos.

Na verdade, agora é o melhor momento para aqueles que estão buscando suas raízes bíblicas viajarem para Israel. E eu digo isso por causa de três razões práticas.

1. Aumento na Disponibilidade dos Sítios

Minhas primeiras visitas a Israel foram com grupos de estudantes. Visitamos os sítios não acessíveis à maioria dos turistas. Naqueles dias, visitar o monte Arbel significava dirigir o carro ao longo de uma estrada não-pavimentada através de uma comunidade judaica de fazendas e depois pegar carona por alguns quilômetros, subindo por um caminho de terra. Hoje, o sítio é um parque nacional. A estrada é pavimentada e a caminhada é de menos que um quilômetro. Como resultado, mais pessoas podem desfrutar daquela inesquecível vista do Mar da Galiléia.

Umas poucas décadas atrás, visitar Beth-Shean significava dirigir seu carro até as ruínas do teatro romano e olhar atentamente sobre um campo gramado até a colina onde naquela época ficava a cidade do Antigo Testamento. Hoje, os turistas caminham do teatro em direção à colina por uma antiga rua romana, visitam o complexo de banhos e ficam ao lado das colunas que tombaram em um forte terremoto que destruiu aquela que havia sido uma grande cidade. Beth-Shean é a Pompéia de Israel, e as ruínas (ainda sendo descobertas) são fascinantes.

Atualmente, os que visitam as Colinas de Golan podem dirigir seu carro até o monte Bental, uma cratera vulcânica extinta que abriga uma base desativada do exército israelense. O sítio, aberto ao público apenas alguns anos atrás, proporciona uma vista sem paralelos do monte Hermon e da Síria – e ajuda os visitantes a realmente entender o significado geográfico das Colinas de Golan.

A própria Jerusalém possui mais sítios disponíveis ao público. Depois que Israel reunificou a cidade, em 1967, os arqueólogos finalmente tiveram a oportunidade de fazerem amplas escavações ali. O que eles descobriram é simplesmente espetacular. Agora pode-se visitar a escadaria que antigamente levava ao monte do Templo, pode-se caminhar pela rua que se estendia desde o Templo até o tanque de Siloé, ou passar pelo sinuoso túnel cananeu que desviava a água da fonte de Gihon para o vale do Cedrom – muito possivelmente a “passagem de água” que Joabe atravessou para capturar a cidade para Davi (2Sm 5.8).

A listagem dos novos sítios por todo o Israel é impressionante, e continua a crescer: o túnel de água em Berseba; o complexo do portão e o lugar alto em Tel Dan; o tanque de Siloé, do século I, em Jerusalém. Estes são todos adições relativamente recentes à crescente lista de lugares abertos a turistas. E vale a pena visitar todos!

2. O Aumento da Acessibilidade dos Sítios

Os sítios bíblicos não são apenas mais numerosos; eles são também mais acessíveis. Minha primeira visita às Cavernas de Bell em Beit Guvrin foi um passeio de ônibus subindo por uma estrada empoeirada, seguida por uma ardorosa subida a um aterro elevado. E o que dizer de banheiros? “Homens à direita e mulheres à esquerda”. Atualmente, o sítio é um parque nacional, e uma estrada pavimentada leva a caminhos bem marcados e a modernos banheiros.

Beth-Shean.

A Reserva Natural de Tel Dan é uma porção incrível de Israel, que surpreende a maioria dos visitantes com suas correntezas de água e sua abundante vegetação. Uma visita em tempos passados exigia a agilidade de um cabrito montês, mas atualmente um caminho de madeira, com corrimãos, torna pelo menos parte do sítio acessível aos que têm menor facilidade de locomoção.

A terra de Israel é montanhosa e rochosa, e muitos sítios ainda se apresentam como desafios. Mas Israel está fazendo muito para tornar aqueles locais mais adequados ao usuário. Lugares como Massada estão se tornando mais acessíveis a pessoas em cadeiras de roda, e mesmo o jardim do Sepulcro agora possui rampas para cadeiras de roda. Visitantes com dificuldades de locomoção agora têm maior acesso aos sítios do que em qualquer tempo no passado.

3. Aumento de Visualização

Disponibilidade e acessibilidade são importantes. Mas ser capaz de chegar a um sítio não quer dizer necessariamente que os visitantes entenderão seu significado bíblico. Lembro-me de incontáveis vezes em que as pessoas traziam-me suas fotos de Israel e perguntavam: “O que eu estou vendo aqui?”.

Durante décadas, o melhor instrumento para se entender Jerusalém nos tempos de Jesus era a maquete de Jerusalém no Hotel Holy Land. A maquete agora foi transferida para o Museu de Israel. E a melhor notícia é que isto está sendo acrescentado a uma série de outros esforços para se visualizarem sítios e descobertas em todo aquele território. Na verdade, uma das maiores mudanças que ocorreram em Israel nos últimos anos foi a adição de sinalização, maquetes, filmes e outras experiências de imersão para ajudar os visitantes a visualizar os sítios e perceber sua significação bíblica e histórica.

Essa nova sinalização e maquetes estão ajudando a trazer muitos sítios à vida. Em alguns locais, como Megido, o melhoramento é tão simples quanto uma escultura de um cavalo próximo a uma manjedoura de pedra. Em outros sítios, pode ser a adição de um versículo bíblico, como aquele no lugar alto em Tel Dan recontando a construção de um templo que Jeroboão ergueu ali.

As mudanças de alta tecnologia atraem a geração mais jovem. O vídeo perto da entrada da escadaria do Templo em Jerusalém ajuda a visualizar a grandiosidade do Templo de Herodes. O filme 3-D na Cidade de Davi conta a história de Jerusalém de uma maneira biblicamente acurada e visualmente atraente. E o novo filme em Cesaréia capacita os visitantes a traçar a história do sítio desde Herodes o Grande até os dias de hoje.

Talvez o impacto mais importante sobre os visitantes atualmente esteja acontecendo nas experiências de imersão que agora fazem parte de tantas viagens a Israel. O velho passeio de barco pelo Mar da Galiléia em barcos brancos foi substituído por réplicas maiores de barcos do tempo de Jesus – que se completa com demonstrações de como atirar uma rede de pesca ao mar.

Passar algumas horas no Vilarejo de Nazaré é uma viagem de volta aos dias de Cristo. Pode-se ver um agricultor arar a terra, plantar e colher; pode-se ver um pastor cuidando de seu rebanho; pode-se visitar a oficina de um carpinteiro do primeiro século; olhar dentro de uma cisterna; ou observar a fraca luz produzida por uma lamparina do primeiro século.

Estas são experiências viscerais que fazem com que as imagens e ilustrações da Bíblia se tornem verdadeiras. Da mesma maneira, o imaginário agrícola do Antigo Testamento assume novo significado depois que se caminha pela Biblical Landscape Reserve [Reserva da Paisagem Bíblica] em Neot Kedumim. Então você entende o que a Bíblia quer dizer quando fala que o sábio Rei Salomão: “Descreveu as plantas, desde o cedro do Líbano até o hissopo que brota nos muros” (1Rs 4.33).

Será que os que visitam Israel atualmente ainda conseguem descobrir suas raízes bíblicas? A resposta é um sonoro sim. Hoje, mais do que nunca, os locais descritos na Bíblia aguardam sua chegada. Mas certifique-se de se preparar bem antes de ir. Leia sobre os locais que você irá visitar. Leve consigo uma boa câmera digital e cartões de memória adicionais. E esteja preparado para que seu conhecimento bíblico aumente exponencialmente à medida que você encontra a terra na qual tudo aconteceu. (Charles Dyer - Israel My Glory - Beth-Shalom.com.br)

Charles Dyer é professor-visitante no Instituto Bíblico Moody em Chicago (EUA) e apresentador do programa de rádio “A Terra e o Livro”.

As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade dos seus autores.

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança